top of page
  • Foto do escritorRedação GoHuman

O autoconhecimento, a saúde mental e a segurança psicológica no ambiente de trabalho

Conheça os benefícios do autoconhecimento para a saúde mental e entenda sua importância para a construção de ambientes de trabalho saudáveis

Você já se pegou pensando em assuntos aleatórios enquanto conversava com alguém? Já teve a sensação de que um dia, mês ou até mesmo ano passou e você não lembra muito o que fez ou o que aconteceu naquele período?

Se respondeu ‘sim’ a pelo menos uma dessas perguntas, saiba que não está sozinho.

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Harvard revelou que, em média, as pessoas passam 47% do tempo com o pensamento distante daquilo que está acontecendo ao seu redor. Ou seja, em quase metade das atividades diárias, elas não estão de fato presentes.

Outra análise feita no Reino Unido estima que adultos passam até uma década de suas vidas no piloto automático. Imagine: são 10 anos da vida de um ser humano que passam despercebidos!

Essa falta de consciência sobre si mesmo e seus arredores pode resultar em problemas sérios e impactar diretamente o bem-estar pessoal. Afinal, vivendo no piloto automático, as pessoas ignoram sinais importantes que podem indicar, dentre outras coisas, problemas relacionados à saúde mental.

Indo além, se não prestar atenção no que acontece à sua volta, é provável que você também não esteja atento às suas necessidades emocionais. Essa negligência, por sua vez, pode se traduzir em níveis elevados de estresse e ansiedade, que se acumulam cada vez mais porque não são devidamente atendidos e tratados.

É por isso que o autoconhecimento é um pilar tão importante para a saúde mental.


Além de ajudar a melhorar a qualidade de vida das pessoas, o autoconhecimento é uma ferramenta fundamental para as empresas. Isso porque quanto mais conscientes de si, melhor os indivíduos conseguem se relacionar – o que contribui para a promoção de segurança psicológica no ambiente de trabalho.

Essa intersecção entre autoconhecimento e saúde mental e o impacto disso no ambiente de trabalho é justamente o tema do segundo episódio do podcast HumanaMente*, um projeto desenvolvido por Alessandra Cavalcante e Rachel Goldgrob, sócias da GoHuman, em parceria com a também psicóloga Mariana Clark.

A seguir, confira os principais destaques do debate e saiba como ouvir o programa na íntegra.

A importância do autoconhecimento

Não faltam livros e outros materiais que prometem ajudá-lo a se conhecer melhor. O motivo para a popularidade desse tema é simples: o autoconhecimento impacta todas as áreas de nossas vidas. Então, se alguém está tentando se desenvolver pessoal ou profissionalmente, buscar o autoconhecimento é naturalmente o primeiro passo.

E isso não acontece somente no nível individual. Alessandra Cavalcante, cofundadora da GoHuman, explica que essa também é a primeira etapa de muitos processos de desenvolvimento organizacional.

“Ter indivíduos capazes de reconhecer suas emoções e de identificar como reagem a determinadas situações, ou seja, ter a capacidade de perceber os seus gatilhos… Isso é essencial no mundo corporativo. E várias jornadas começam por essa etapa de autoconhecimento, que é quase o pilar essencial”, destaca.

Alessandra conta que, a partir do autoconhecimento, é possível reconhecer:

  • Seu repertório;

  • Suas emoções;

  • Suas forças;

  • O que você precisa desenvolver;

  • E como vai lidar com esse processo.

Uma jornada para a vida

Mas, afinal, o que é o autoconhecimento? Como esse processo acontece?

Para começar, a ‘má’ notícia é que não existe uma metodologia específica ou um truque rápido para desenvolver seu autoconhecimento.

Como ressalta a psicóloga Mariana Clark, a busca pelo autoconhecimento é um processo complexo, contínuo e profundo.


“Talvez o processo de autoconhecimento seja um dos mais difíceis e importantes que vamos viver ao longo das nossas vidas. Para começar, esse é um conceito um pouco abstrato, o que acaba causando muita dúvida: qual é de fato a definição de autoconhecimento e como eu posso alcançar esse lugar? Além disso, esse é um processo longo e, às vezes, doloroso, que exige muito de nós, porque entrar em contato com aquilo que somos, com o que sentimos, com as nossas emoções, de fato não é agradável”, reflete.

Mariana comenta que a jornada de autoconhecimento não tem verdades absolutas e também não tem um final determinado – é um processo contínuo de análises internas e buscas por respostas. “Essa constância em buscar dentro de nós quem somos e o que sentimos é um exercício que traz um amadurecimento muito grande, mas exige uma energia extra para darmos conta dessas respostas”, salienta.

Autoconhecimento e inteligência emocional

Durante o debate sobre autoconhecimento e saúde mental, Rachel Goldgrob, cofundadora da GoHuman, destacou que uma forma de compreender bem o autoconhecimento é entender como ele se relaciona com a inteligência emocional.

Segundo a especialista, de maneira resumida, inteligência emocional é a nossa capacidade de entender e saber lidar com nossos próprios sentimentos e os dos outros. Nesse sentido, ela aponta que existem quatro dimensões da inteligência emocional:

  1. Autoconsciência – se conhecer e entender seus sentimentos.

  2. Autorregulação – saber lidar com suas diferentes emoções e reações.

  3. Consciência social – saber fazer a leitura dos outros à sua volta.

  4. Gestão de relacionamentos – aplicar sua compreensão emocional ao lidar com os outros.

“É importante analisar como você está em cada um dos quadrantes. Talvez você esteja atento às suas próprias emoções, mas não consiga perceber as dos outros, por exemplo. A partir daí, você sabe que precisa trabalhar para desenvolver mais empatia e procurar entender melhor o que o outro sente”, aponta Rachel.

Ela ressalta que a inteligência emocional impulsiona o autoconhecimento, porque não basta se conhecer, é importante entender o que você vai fazer com esse autoconhecimento.

Rachel salienta ainda que essas são duas questões muito importantes para o bem-estar – tanto no nível pessoal quanto em ambientes de trabalho. Afinal, a inteligência emocional possibilita diálogos mais produtivos, em que todo mundo aprende.


Como promover o autoconhecimento nas empresas

Na visão das três participantes do podcast HumanaMente, de maneira geral, o autoconhecimento contribui para a melhora da saúde mental. Afinal, ao se conhecerem melhor, os indivíduos conseguem gerenciar suas emoções de maneira mais saudável e nutrir relacionamentos mais autênticos.

Tudo isso, claro, contribui para ambientes de trabalho com níveis mais elevados de segurança psicológica, em que todos se sentem à vontade para serem autêncitos e aprenderem uns com os outros.

Como incentivar a busca pelo autoconhecimento no mundo corporativo?

Rachel sugere que os líderes invistam mais em processos de feedback. “É uma boa prática você se ver de fora, como se fosse um espectador. Você consegue obter muita informação a partir disso. Mas também muito pelo feedback das pessoas”, indica.

Neste sentido, ela recomenda que as empresas tornem o feedback algo rotineiro, que seja parte da cultura da empresa. “Cada vez mais vemos empresas que estabelecem uma rotina de check-in. Você não precisa esperar aquele grande momento da avaliação de desempenho, onde tudo acontece, para receber um feedback. Quanto mais isso se torna uma prática comum, que é utilizada por todos da empresa, mais fácil é tornar isso um processo contínuo”, aponta.

Por fim, a especialista pontua que não basta só fazer um treinamento, explicar o que é o autoconhecimento, falar sobre temas que estão ligados a isso, falar sobre emoções; “é preciso oferecer um espaço para que as pessoas possam viver o autoconhecimento na prática de diferentes maneiras”, destaca Rachel.

Gostou do que leu até aqui? Essa é só uma amostra do debate do segundo episódio do podcast HumanaMente!

No bate-papo, as três especialistas falaram ainda sobre os seguintes temas:

  • As dimensões do bem-estar e como isso ajuda no processo de autoconhecimento.

  • Dicas de práticas e ferramentas para as jornadas de autoconhecimento.

  • Como o autoconhecimento impacta a autorregulação emocional.

  • Por que o autoconhecimento impacta nos níveis de segurança psicológica nas empresas.

  • Indicação de curso que profissionais de RH podem fazer para tratar de questões relacionadas à saúde mental nas organizações.

Escute o episódio na íntegra e saiba mais:

O podcast HumanaMente terá cinco episódios. Acompanhe a GoHuman no LinkedIn e no Instagram para não perder nenhum dos debates sobre os principais temas relacionados à saúde mental no ambiente de trabalho.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page